Pedro: sob todo medo, uma possível reconciliação.

março 26, 2017 11:43 pm Publicado por Deixe um comentário
pedro

Inconstância, uma palavra que tanto nos acompanha e nos define ao decorrer da nossa caminhada. Mesmo tendo conhecido Jesus e este amor, mesmo ao ter uma experiência profunda com seu Espírito e ter sido formado, amado e perdoado, que mesmo assim, as dúvidas, medos, dificuldades e provações nos tentam a não acreditar e viver com intensidade o que Cristo nos pede para viver.

Que exemplo maior que Pedro para clarear este caminho de inconstância e transformar a dúvida em certeza?

Antes de nos perdermos em nossos medos e dúvidas, sempre existe um caminho que percorremos até chegar a tal ponto, sempre nos deixamos levar por algo que nos atraiu aos poucos e nos fez cambalear e nos perder no mar de outras verdades mais cômodas, no desfiladeiro de desejos desordenados, nas falsas alegrias que nos distraem da felicidade eterna.

Sim, somos fracos, somos falhos, mas quem disse que isso nos impedirá de viver com ousadia os desígnios do Amado?

Pedro nos prova que isto é possível, pois mesmo tendo o maior dos mestres como seu formador, ele cambaleou, porque no momento em que estava próxima a morte de Jesus, o que ele faria? Como seguiria sem ter Jesus ao seu lado? Acabaria tudo ali? E tudo que havia sido feito? Assim, envolvido por tristeza e dúvidas, veio a negar Jesus três vezes, se cumprindo o que já havia sido dito pelo seu mestre. Quantas vezes isso acontece conosco ao sermos tentados, fugir parece ser o melhor caminho, optar pelo que não nos causará tantos danos, pois parece mais fácil mascarar a culpa do erro com justificativas e fugas do que encarar de frente a nossa cruz.

Pedro, a quem Jesus confiou a chave dos céus, negou, duvidou, teve medo, e quem somos nós para não sentir medo?

Que exista um galo em nossas consciências, sempre nos fazendo recordar do nosso chamado, para dizer que não, não é assim que Eu te pedi para viver, não foi isso que Te instrui a fazer, não é essa a vida que Eu desejo para ti! E que ao gritar este galo dentro de nós, não nos paralisemos por este reconhecimento em saber que nada somos, mas como Pedro, busquemos a reconciliação, o perdão de Deus, pois está consumado, o pecado morreu na cruz e não deixemos que ele viva em nós.

Cristo confiou a Pedro a chave da sua igreja, instituiu sobre aquela pedra a missão que hoje recai em nós, a vivência árdua da resposta ao chamado, e que mesmo nos tropeços, nas dispersões, não fiquemos parados, nos culpando pelo galo ter cantado, mas façamos como Pedro, que não voltou a pescar peixes depois errar, de negar, mas obedeceu ao primeiro chamado de Jesus para pescar homens.

Que não seja mais tentador voltar ao velho depois de um erro, do que viver o perdão.

Talisson Mota / Comunidade Católica Kadosh