Um chamado a ser gota

dezembro 6, 2017 4:54 pm Publicado por Deixe um comentário
pexels-photo-109919

Vivemos em uma sociedade em que o melhor é aquele que mais tem ou mais sabe. O dinheiro se torna o valor de cada um e por isso as pessoas estão em constante processo de trabalhar mais para ganhar mais e, assim, obter o status de rico.

No caminho de santidade, a contradição começa no perder para ganhar. Parece loucura chegar para alguém e dizer que quanto mais pobre ela for, mais ela será feliz. Contudo, aqui não me refiro apenas ao ser pobre financeiramente, pois, ao passo que as pessoas que só se importam com dinheiro, crescem seu ego e passam a não respeitar o outro para que atinjam os seus objetivos. Perde-se aqui a nobreza da alma, e entra a imundície da ganância. Seja pelo o que se tem, pelo orgulho, ou pelo egoísmo, estamos cada vez mais distante de cumprirmos nossa meta de santidade. Ou digamos também que ela tem deixado de ser importante para a maioria.

Quando sentimos o toque constrangedor de Deus em nossos corações, não conseguimos mais nos manter os mesmos. Até aquele mais orgulhoso, se torna um nada perante a presença daquele que é! Deparar-se com a grandeza de Deus nos faz tocar a nossa miséria e perceber que tudo o que nós somos, só o somos porque o Senhor permite. Não se pode ir muito longe no quesito felicidade estando distante daquele que é o autor dela.

Dizer “sim” a vontade de Deus é estar disposto a abaixar-se, é tornar-se pequeno para que Ele seja muito mais refletido do que a mim. É ser alguém que se dispõe a ser instrumento para os outros, e não ser o motivo de eles estarem ali. Enquanto muitos querem dominar o mundo com a sua sabedoria, cabe a nós sermos o insignificante. Pois, quando eu permito que Deus conduza toda a minha vida, eu preciso permitir que Ele tome conta de tudo. É preciso abrir mão dos nossos conceitos para que Ele tome as rédeas dos nossos dias e os conduza para o melhor lugar.

“felizes os pobres de espirito, porque deles é o Reino dos Céus.” Mt 5, 3

Só estando agarrado nos braços de Jesus é que podemos compreender a força dessa verdade. Eu preciso ser nada, pobre gota para que a realeza e a glória do Cristo se manifestem em cada atitude minha. Ao ser enviada para uma missão, seja ela simples ou mais complexa, eu preciso ser sincera comigo mesmo e entender que, se não for pela ação do Espírito Santo, minhas atitudes não serão fecundas. Podem até germinar, mas talvez não cheguem a dar frutos de eternidade, pois só a graça de Deus é capaz de mover e converter um coração para sempre. Eu, nada sou.

A resposta de nossas vidas há de ser sempre encorajada pela vontade daquele que nos elege para que assim não andemos mais sem animo, mas que, pela vida fecunda de oração, cada dia seja dia de ir além daquilo que já conquistamos pela graça. Nunca haja em nossos corações o comodismo de achar que já fizemos tudo ou tudo conquistamos, mas que sempre deixemos ser surpreendidos por esse Deus que nos ama insistentemente e que deseja usar sempre de misericórdia conosco.

Há almas vagando sem direção enquanto nós sabemos o sentido da nossa vida. Não sejamos mesquinhos, mas que o próprio Deus seja exalado em cada passo que dermos. Todo momento é tempo de derramar o perfume da vocação que temos. Possamos gerar novas vidas com a nossa vida.

 

Izabela Braz