Pai, dom e tarefa de ser Deus em pequenas medidas

agosto 12, 2016 12:52 pm Publicado por Deixe um comentário
Father With Children In Park

A mais profunda vocação do homem é ser pai

Tudo o que o homem é, todos seus dons, talentos e habilidades, todo seu conhecimento e técnica adquirida e tudo o que desenvolve durante sua vida só encontrá plena realização se canalizar tudo para o exercício de sua paternidade.

“Assim, também se revela, profundamente, o mistério da masculinidade do homem, isto é, o significado gerador e ‘paterno’ do seu corpo” (São João Paulo II, Teologia do Corpo, catequese nº 120).

Frei Raniero Cantalamessa, pregador oficial do Vaticano, dá-nos uma maior compreensão de paternidade ao nos dizer que, neste mundo, o que mais se aproxima do amor de Deus é o amor humano de pai e mãe. Quanto à figura paterna, ele explicita: “O amor paterno é feito de estímulo e solicitude; o pai quer o filho crescido e levado à plena maturidade”.

Quando olhamos a Sagrada Escritura, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento, entendemos como o Pai Celeste nos estimula e nos faz crescer. O Senhor convoca Seus profetas, envia-os à aventura, ao desafio de vida e manda-os sempre ir em direção ao desconhecido para que vençam as barreiras. É solicito com Moisés quando abre o mar vermelho (cf. Ex 14,21ss); pede que Abrão saia da sua terra e vá para um lugar que Ele providenciará (Cf. Gn 12, 1) e estimula seu povo, muitas vezes, quando repete “não temais, pois: eu vos sustentarei a vós, tende ânimo” (cf. Gn 50,21: Ex 14, 13).

Pois bem, o pai terreno é convidado a ser uma figura deste Pai do Céu.

Geralmente, presenciamos o pai colocando o filho num lugar alto, como o galho de uma árvore, e encorajando-o a pular em seus braços. Será mais fácil também ver o pai ensinando um filho a andar de bicicleta ou, pelo menos, será o primeiro a desafiá-lo a se equilibrar sem as rodinhas de apoio.

O mundo, no entanto, está carente de paternidade. Vemos muitos pais ausentes; uns por não assumirem a paternidade; outros, a grande maioria, subtraídos dos lares pelo trabalho.
Até arrisco-me a dizer, dos muitos contatos que tenho com a juventude, ministrando palestras pelo Brasil, que nos intervalos quando converso tanto com os meninos quanto as meninas, percebo que a maioria dos problemas deles – com drogas, sexualidade desregrada, ansiedade e medo de enfrentar a vida – está associada a visão negativa do ser masculino, desde dentro de casa.

Jovens que, muitas vezes, têm roupas de grifes, aparatos de última geração, mas estão sem referência da vida, por falta de palavras de carinho, exemplos e presença paterna, e então buscam refúgio em substâncias e afetos que mascaram o vazio que se instala em seus corações.

Pai, seu filho necessita muito mais de seus ensinamentos de vida, transmitidos por meio de brincadeiras e ocasiões em que puderem estar juntos, do que coisas que seu dinheiro possa lhes comprar.

Lembro-me de meu pai devolvendo o dinheiro a mais que recebeu como troco – isso me faz ser honesto –, ensinando-me a nadar todos os domingos na lagoa. Tudo isso me trouxe a certeza de que sou capaz, e também segurança, pois alguém olha por mim.

Uma vez ouvi: “O filho que recebe todo dinheiro do mundo vai gastá-lo até passar necessidade. O filho que recebe todo amor conquistará o mundo inteiro”.

Que, neste Dia dos Pais, quem receba o melhor presente sejam seus filhos! Dê seu carinho, seu amor e tempo, eles merecem ter tudo o que você é.

Feliz Dia dos Pais!

 

Sandro Arquejada

Comunidade Canção Nova